LuzazuL

semana que vem

destroem-se   os  números em ácida velocidade

              no velho carrossel do cotidiano

              levando  flâmulas multiplicadas

              devorando  as vísceras da noite

rasgando seus pés alados no intento de sonhar

 

vão-se os números, como cavalos desesperados,

destruindo-se,  separando-se  em  partículas

centrífugas, crescendo em chamas, por dentro

dos  travesseiros   do  escurecimento  mesmo

de cada dia, por trás dos calendários anuais

da normalidade,

  pois

 

tudo corre bem

na primeira segunda terça

do resto da semana inteira.

 

     


Comente!