LuzazuL

Luzazul (VIII)

desde quando urge a cor

sob traços sem começo

um eco surpreendente aparece.

 

da lembrança endurecida

do vazio, do leito dilacerado

onde um rio se desfaz em cal,

ela vem simplesmente e nasce.

 

e num lampejo de mil trombetas 

transforma-se toda em disfarces

sobre o céu sem fundo, na luz

 

como um ser, apenas, que paira

fluindo simplesmente:  a cor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[imagem: detalhe de quadro da artista plástica Velci Olga Vieira, 1998]


Comente!