LuzazuL

Borges não me vê

  [invisível, em Buenos Aires]

 

 

 

 

mas uma silhueta me acompanha

com suas velhas asas amarrotadas

 

como um dicionário quase inútil

 

como um animalzinho enfermo

correndo sobre os telhados

dos bairros mais inabitáveis

desta cidade cinza e sem saídas.

 

então, talvez por isso mesmo

eu vá me ocultar, repentino,

num beco entreparênteses

                 

até notar que a minha ausência aqui

já lhe seja

            por completo

 indiferente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[imagem: http://www.panoramio.com/photo/116353057#]


Comente!