LuzazuL

anoitecendo estrelas

[pequena epopeia cíclica]

 

 

 

 

 a noite ejeta as suas estrelas

e as envia, nessas bolhazinhas

 que me adentram pela janela.

 

 dos poros do meu sono fatigado

gotejam pétalas sobre o piano

                    elevando-se oitocentas

                              oitavas acima

                      ou ainda muito mais.

 

     e a noite, então, traja-se

de ritmos e desfila seus novelos

 e novelos de murmurejantes hinos

        pelas avenidas dos meus sentidos.

 

à noite – quase sempre –

        deixo-me ir por esses

   meandros estreitos de harmonia,

levado nestas pequenas bolhas

             murmurejantes

    através das janelas

        que me acolhem.


Comente!