Perpetuocontinuum

aldeia (IV)

 (parte 4)

 

 

Havia, contudo, algumas regiões em que a resistência parecia apresentar-se mais recrudescida e prolongada. Seria evidentemente por se estar lidando com povos que, bem adestrados nas ciências da guerra (e da guerrilha, muitas vezes), melhor conhecedores dos seus próprios territórios e portanto melhor ambientados, antepunham duríssima defesa, constituindo perigosos obstáculos às forças de abordagem.

Nestes casos, ele próprio, em pessoa, assumia o comando das operações in loco, trazendo consigo sua tropa de vanguarda – equipe que fora desenvolvendo e preparando cuidadosamente, selecionando os seus integrantes sob rigorosos critérios, entre os mais valorosos guerreiros, inclusive oriundos, em certos casos, dos povos conquistados.

Normalmente isso já seria motivo de importante desequilíbrio, a seu favor, em relação às forças e ao moral dos adversários, pois a sua fama e o peso do seu nome campeavam por quase todo o continente, propalando ora grandes expectativas e esperanças para uns, ora temores e apreensões para outros. Mas principalmente porque, quanto maior e mais firme fosse a resistência encontrada, tanto mais enérgica e mais pesada a sua mão cairia sobre os derrotados, não titubeando em mandar incendiar suas vilas, envenenar as plantações, saquear seus víveres, dizimar suas lideranças, escravizar os sobreviventes.

Numa dessas excursões, porém, ele se deparou com uma tribo mais aguerrida e renitente do que o habitual. Desde as primeiras investidas, com as baterias de abordagem preliminar, e mesmo com grande contingente, organizado em tropas terrestres de infantaria descalça –  apoiadas por carros de guerra agressivamente equipados com espetos, prensas, malhos, galhos enfeixados com cordas bem esticadas – e com o assédio da frota marítima mais veloz e melhor treinada do seu tempo – composta de trezenas de galés agilíssimas, compelidas a nervos e martelos bem cadenciados –, e mesmo com tudo isso, foram todos inexoravelmente obstados e repelidos dos domínios daquela aldeia.

Quando chegou ao posto mais avançado de comando das suas forças em terra, ele identificou logo alguns aspectos que já o interessaram, em relação à tribo que trazia sob a mira. E não seria nada de muito extraordinário, porém, não, Apenas alguns detalhes – mas que por certo haviam escapado, até então, a toda a sua equipe em campo (talvez porque muitos desses detalhes não estivessem previstos nos modelos e exemplos utilizados nos seus diversos níveis de treinamento; ou talvez por outros motivos. .. sabe-se lá). Mas detalhes, esses, que se revelariam determinantes no sucesso da empreitada.

Observou, por exemplo, que muitas das flechas que crivavam os corpos dos seus guerreiros – que jaziam vítimas de emboscadas recentes – traziam pétalas e pequenas flores engastadas junto às penas. . e quase sempre essas eram as endereçadas ao coração. Notou que os caminhos na floresta que circundava a aldeia principal não eram simples trilhas, carreiros sulcados pelo uso contínuo ao longo dos anos, mas aleias cuidadosamente desenhadas, enfeitadas com grande esmero e dedicada atenção.

Ao avançar ainda mais, numa incursão pessoal sigilosa, e cercada de grandes cuidados e segredos, para não despertar suspeitas na aldeia-alvo, ele conseguiu aproximar-se dos domicílios daquela gente tão estranha e tão perigosa. Ali pode confirmar uma das suas primeiras convicções quanto ao adversário e seu habitat: tratava-se, efetivamente, de um lugar dirigido e comandado pelas fêmeas!

Os poucos machos que conseguiu identificar de onde estava eram sempre submissos, obedientes, e cumpridores de tarefas por elas designadas. Alguns montavam guarda às portas das cabanas mais importantes. Algoutros carregavam jarros contendo água, ou grãos, ou provisões, enfim, que em épocas de guerra adquirem valor estratégico, transportando tudo para as tendas de logística e operações. Outros, ainda, poliam as armas, lustravam lâminas, retesavam os arcos, retificavam flechas, testavam a resistência dos escudos, acumulando-os depois numa cabana próxima ao centro da aldeia. A sua atitude, no geral, era o que denotava a posição hierárquica de cada um dos gêneros no contexto da tribo. Deixando sempre patente, todavia, uma considerável estratificação, francamente favorável ao feminino.

Não foi difícil perceber, também, como eram belas e atraentes as jovens daquela tribo. Além das formas graciosas e reveladoras de incomparável feminilidade, a sua postura altiva, convicta, segura e serena, denotava tratar-se de gente dotada de grande sentido estético, e que certamente saberia usufruir com imenso deleite e liberalidade as delícias das experiências sensoriais disponíveis.

Sentiu-se, como nunca, atraído e motivado a ir ter com elas. ..  E só não se dirigiu imediatamente ao seu encontro, porque também tinha bem presente a noção de que aquele povo ali e o seu eram inimigos mortais, em pleno conflito, e prontos, de lado a lado, a exercitar todo o seu conhecimento, mobilizar todas as suas manhas e artimanhas militares para despejar sobre o adversário a máxima ira e toda a fúria de que fossem capazes, objetivando unicamente a vitória, naquela contenda de vida ou morte.

Retornando então à base, reuniu os principais comandantes da sua tropa e informou-os de que tentaria uma solução negociada, evitando maiores perdas para ambos os lados. Reconhecia que o seu poderio militar sobrepujava, sob todos os aspectos, as forças da resistência local, e seria mesmo só questão de tempo, até que a aldeia sitiada fosse subjugada. Mas os fatos evidenciavam, também, que mesmo assim o cerco seria estéril e inaproveitável, se do embate resultassem baixas em demasia ou desnecessárias. Por isso, de acordo com as suas observações, percebera haver uma chance – ainda que apenas hipotética – para o diálogo e a negociação. E, sendo assim, essa era a tentativa que empreenderia, pois caso lograsse êxito o prejuízo seria o menor para todos.

(continua)

 

 

 


Comente!